logo Plano de parto: saiba como ele pode garantir saúde e respeito à mãe e o bebê - lillo

Plano de parto: saiba como ele pode garantir saúde e respeito à mãe e o bebê

Compartilhe nas redes:
Publicado em A chegada do bebê, Dicas Lillo, Hora do parto, Preparativos

Fazer um plano de parto antes de dar à luz é um modo eficaz de assegurar qualidade no processo, para que esta seja uma experiência verdadeiramente prazerosa.

Se você, mamãe prestes a gerar uma nova vida ao mundo, coleciona dúvidas sobre como será o momento do parto, existem algumas alternativas para garantir que as coisas ocorrerão bem.

Inicialmente, é natural que bata um certo nervosismo; costuma ser assim em ocasiões tão especiais como essa. 

Neste texto, daremos dicas sobre uma das opções para dar à luz com maior segurança: o plano de parto. Como em relação a tudo na vida, as coisas sempre saem melhor quando planejamos nossas ações.

Então, por motivos óbvios, isso não é diferente quando falamos de retirar um bebê do ventre.

Confira!

O que é o plano de parto?

O plano de parto é um documento no qual a gestante escreve orientações para os profissionais de saúde que irão conduzir o procedimento. No texto – seja em forma de carta, de lista ou outro modelo de preferência – deve constar, em suma: o que quer/gosta; o que não quer/não gosta.

Esse documento, garantido pela legislação brasileira, é feito em conjunto com o obstetra (ou no pré-natal nas Unidades Básicas de Saúde) e precisa ser assinado por ambos: médico e gestante.

O plano de parto é uma forma de comunicação entre a mãe e o pai com os profissionais envolvidos no trabalho de parto, ou seja, uma oportunidade para fazer valer a vontade de quem realmente irá cuidar daquilo que está sendo gerado.

Além disso, o planejamento pode evitar imprevistos em situações de difícil solução, bem como definir o tipo de parto a ser realizado. Inclusive, essa conduta serve justamente como incentivo para o aumento do número de partos normais.

Trata-se, basicamente, de colocar suas impressões e desejos no papel; dizer claramente à equipe médica o que você deseja. Afinal, a gestante é a protagonista do trabalho de parto e, portanto, deve a princípio ser o centro das atenções.

Importante destacar também que o plano de parto atua como parte de um conceito muito mais amplo: o respeito aos direitos da mulher, dentro do qual obviamente incluem-se as grávidas. 

Nesse contexto, a violência contra a mulher também vai bastante além de fatores mais conhecidos, como agressões físicas no geral e feminicídio. Existe também a violência obstétrica, que tanto afeta as gestantes pelo Brasil, apesar de recentes avanços na área.

Linguagem

Ao escrever seu plano de parto, pense exatamente no que você falaria para a equipe médica ao longo do processo, como orientações em tempo real. Quais seriam seus palpites antes, durante e depois do parto? Assim, deve-se usar palavras que enfatizem a noção de gosto e preferência. 

Portanto, utilize verbos e expressões como:

  • Gostaria;
  • Se possível;
  • Preferimos;
  • Seria melhor se / seria mais adequado que
Gestante em consulta médica

Garantia por lei

A importância do plano de parto é tanta que, desde 1986, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda-o como forma de elevar o nível do atendimento oferecido às mães e recém-nascidos em todo o planeta.

Tal prática pertence à categoria prioritária de orientações do órgão máximo de saúde no mundo.

No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, cabe a profissionais da saúde consultar a mulher se ela tem um plano de parto escrito, bem como ler e discutir o conteúdo com ela. 

Para isso, deve-se levar em conta as condições para sua implementação, por exemplo: organização do local de assistência; limitações físicas e de recursos na unidade de atendimento; disponibilidade de métodos e técnicas.

Em outras palavras, o profissional que acompanhar a gestante deve, por lei, avaliar e conversar sobre o seu plano de parto ao longo da gravidez.

Ressalta-se apenas que as decisões finais em relação à forma mais segura de conduzir o parto fica a critério da equipe médica, caso ocorram eventualidades não previstas. 

Mas, se o plano não for seguido, o médico precisa justificar à futura mãe, também por escrito, o porquê da mudança. Após o parto, pode-se solicitar cópia do prontuário da paciente, documento que o hospital é obrigado a fornecer.

Além disso, nunca é demais lembrar que o Código de Defesa do Consumidor assegura o direito à informação, em seu artigo 6º, inciso III, sendo considerado direito básico.

O documento do plano de parto também pode obter um caráter oficial, caso seja protocolado no hospital onde o procedimento acontecerá. Isso é importante, pois, por meio de um plano pessoal protocolado, você está avisando – oficialmente – o que quer e o que não quer que seja feito.

Nesse caso, o código de ética médica proíbe que o médico realize qualquer ação sem a autorização prévia da mulher.

Um longo caminho a ser trilhado

A existência formal de proteção por lei, infelizmente, ainda revela que há muito a se evoluir para surtir efeito na prática em território nacional.

Em novembro de 2020, pesquisa da Healthtech Theia revelou que, de 450 mães entrevistadas, 51% tinham a intenção de realizar parto normal, mas apenas 32% conseguiram concretizá-la

O Brasil é o segundo com maior índice de cesárea do mundo, cerca de 55%. Porém, se analisarmos apenas o sistema privado de saúde, os índices chegam a ser assustadores 86%. Segundo a OMS, a taxa ideal de cesarianas deveria estar entre 10% a 15% dos casos.

Diante disso, conclui-se que ainda temos um longo caminho a percorrer para superar esse perigoso tentáculo da violência contra a mulher e os direitos humanos.

Como elaborar o seu plano de parto

Seguem abaixo algumas informações importantes para você colocar no documento, enfatizando seu desejo ou não de realizar tais ações. Uma ou outra pode parecer irrelevante, mas cada mãe tem sua particularidade.

Portanto, temos aqui exemplos pessoais variados.

Dicas para elaborar o seu plano de parto

Exemplo de plano de parto  

Agora, mostramos uma referência completa para você redigir o seu plano de parto. Note que o processo é simples. Obviamente, é importante adquirir propriedade sobre o tema. Mas, após isso, basta fazer um exercício consigo mesma para coletar o máximo possível de preferências pessoais.

Confira.

Listamos abaixo nossas preferências em relação ao parto e nascimento do nosso filho. Sabemos que o procedimento estará sujeito a alterações inesperadas. Portanto, caso o plano não possa ser seguido, solicitamos que nos avise com antecedência, consultando-nos a respeito de outras alternativas. 

Antes de prosseguirmos, reforçamos também a exigência pelo parto normal e humanizado, considerando a cesárea apenas se não houver outro caminho.

Pré-parto

–  Presença de meu marido e doula;

– Sem tricotomia (raspagem dos pelos pubianos);

– Sem perfusão contínua de soro e ou ocitocina; 

– Sem monitoramento fetal, salvo extrema necessidade;

– Liberdade para beber água e sucos; 

– Liberdade para caminhar e escolher a posição que quero ficar; 

– Liberdade para o uso ilimitado da banheira e/ou chuveiro;  

– Não me ofereçam analgésicos; eu pedirei se necessário;

– Sem rompimento artificial de bolsa;

Parto

 – Prefiro fazer força só durante as contrações, quando eu sentir vontade, em vez de ser guiada; 

– Não aceitarei que minha barriga seja empurrada para baixo;

– Episiotomia: só sob extrema necessidade; 

– Peço que apaguem as luzes e desliguem o ar condicionado na hora do parto, para que meu bebê nasça em ambiente calmo e silencioso; 

Pós-parto

– Esperar que a placenta saia espontaneamente, sem interferências;

– Gostaria de ter o bebê colocado no meu colo imediatamente após o parto para amamentá-lo;

– Gostaria que o pai cortasse o cordão umbilical;

– Desejo que o bebê fique comigo o tempo todo enquanto eu estiver na sala de parto, mesmo para exames e avaliação;

– Quero ser liberada da sala de parto o quanto antes, para estar ao lado do bebê nas primeiras horas de vida;

– Da mesma forma, solicito alta hospitalar o mais rápido possível.

Cuidados com o bebê

– Nitrato de prata ou antibióticos oftálmicos apenas se necessário e após contato comigo nas primeiras horas de vida;

– Quero fazer a amamentação sob livre demanda;

– Não aceitarei, em hipótese alguma, que se ofereça água glicosada, bicos ou qualquer outra coisa do tipo ao bebê;

– Solicito alojamento conjunto o tempo todo. Pedirei para levar o bebê caso esteja muito cansada ou necessite de ajuda;

– Gostaria de dar o banho e fazer as trocas (ou meu marido).

Caso a cesárea seja necessária

– Exijo que o trabalho de parto comece antes de se optar pela cesárea;

– A exemplo do parto normal, quero a presença da doula e do meu marido;

– Anestesia peridural, sem sedação;

– Na hora do nascimento gostaria que o campo fosse abaixado para que eu possa ver o bebê sair;

– Aqui, gostaria que reduzam as luzes e desliguem o ar condicionado;

– Após o nascimento, gostaria que colocassem o bebê sobre meu peito e que minhas mãos estejam livres para segurá-lo;

– Enquanto estiver sendo costurada na sala de cirurgia, gostaria de permanecer com o bebe no contato pele a pele;

– Gostaria de amamentar o bebê e ter um alojamento conjunto o quanto antes.      ​

Por fim, agradeço profundamente toda a equipe, e sua ajuda para garantir que esse momento especial também seja feliz e tranquilo. 

Muito obrigada,

_________________________________

Local e data

________________________________________________________

Assinatura da mãe                                                                                      

_________________________________________________________

Assinatura do pai

_________________________________________________________

Assinatura do médico obstetra                                                              

_________________________________________________________

Assinatura do pediatra

*Modelo inspirado no livro “Parto Normal ou Cesárea – tudo o que as mulheres (e todo homem também) deveriam saber.”, escrito por Simone Diniz e Ana Cristina Duarte – Editora Unesp.

Casal após nascimento do bebê

Gostou das dicas? Com elas, você, mamãe, certamente terá tudo para orientar a equipe médica da melhor forma na hora do parto. E você, papai, saberá que a sua ajuda também é extremamente importante nesse processo.

Um plano de parto vai além do trabalho na maternidade em si. Ele garante, acima de tudo, o respeito e uma boa saúde para o bebê e a família no começo de uma trajetória tão única e apaixonante.

Portanto, guarde essas informações e elabore o seu!