Publicado em Pais em 03/10/2016

Estudos mostram que homens com maior envolvimento com sua esposa são capazes de sentir alguns sintomas relativos à gravidez e que podem engordar até 6 kg e aumentar a cintura em 5 cm    

Em toda gravidez, a mãe é fundamental. Isso não é novidade. No entanto, a participação paterna tem aumentado cada vez mais, desde o início da gestação, na participação dos cursos e também na própria hora do parto, na qual a presença masculina tem se tornado uma rotina. Essa mudança comportamental aumentou tanto que, recentemente, algumas pesquisas indicaram que existem homens tão participativos e com tanta sintonia com suas mulheres que metade da população de futuros pais (54%) desenvolve alguns sintomas relativos à gravidez durante o curso da gestação, por meio de uma manifestação chamada Síndrome de Couvade.

“A Síndrome de Couvade não é uma doença, mas um conjunto de sintomas que podem aparecer nos homens durante a gestação. O pai se exprime psicologicamente ao assumir a gravidez, apresentando sensações semelhantes às da companheira grávida. Os futuros pais podem engordar, sofrer com enjoos, desejos, crises de choro ou mesmo depressão. Para que isso não traga nenhum desconforto ao casal, é preciso estar atento a esses sinais e orientar cada vez mais os futuros pais e mães”, explica Dr. Alberto D’Auria, ginecologista, obstetra e diretor da Pro Matre Paulista.

O gestor de tecnologia Cléber Chinelato, de 34 anos, e sua esposa, grávida de quatro meses, esperam a chegada do primeiro filho. Bem-humorado, o papai se espantou com os primeiros sintomas que sentiu. “Havíamos programado uma viagem de férias para a Europa. Assim que a Roberta descobriu que estava grávida, ela enjoou pela primeira vez durante um passeio e eu senti o mesmo. Eu pensei que fosse algo relativo à comida local, por ser diferente. Voltamos para casa e continuei sentindo a mesma indisposição e falta de vontade de comer, que durou praticamente dois meses”, relata Cléber.

“Depois desta fase, comecei a sentir desejos repentinos e acabei influenciando minha esposa, que até aquele momento havia sentido poucas vontades. Na última vez, cheguei em casa querendo comer hambúrguer com queijo e maionese, propus à Roberta e ela topou na hora, e esse desejo durou vários dias. Depois veio o da pizza”, relembra o papai de primeira viagem.

Existe ainda um estudo britânico que ajuda a reforçar a tese da Síndrome de Couvade, mostrando que os homens ganham cerca de 6 kg durante a gravidez das parceiras e podem ter um aumento de cerca de 5 cm em sua cintura. Do grupo pesquisado, 1.250 homens saíram do peso regular. Os motivos, segundo os entrevistados, foram a solidariedade com o aumento de peso das mulheres e a “necessidade” de acompanhar o desejo delas por alimentos calóricos.

“A ansiedade, aliada a uma forte ligação afetiva e emocional com a mulher, acaba por transferir para o marido uma série de sensações que costumam se manifestar somente na figura feminina”, completa D’Auria.

A Síndrome de Couvade não costuma causar distúrbios psíquicos e é normal que aconteça, sendo aconselhável procurar um especialista somente quando a situação foge de controle e passa a incomodar o casal e as pessoas próximas. Ela costuma passar assim que as parceiras retornam ao seu comportamento normal.

“É preciso ressaltar a importância da participação do pai também na escolha do obstetra, do pediatra e da maternidade, no acompanhamento das consultas e exames, na participação do curso de gestantes e na valorização da sexualidade do casal; além disso, é preciso que ele tenha paciência com sua esposa, pois o choro e a ansiedade da futura mamãe fazem parte do dia a dia. No pós-parto, o papai pode ajudar em atividades como dar banho no bebê, trocar a fralda, levar o bebê às consultas no pediatra e ajudar e dar muita atenção para a nova mãe. São dicas simples que fazem toda a diferença num período de muito desgaste para a mãe”, completa o ginecologista e obstetra.

aviso-portal