Publicado em Primeiros Passos em 15/12/2016

Durante o seu desenvolvimento, a pele do recém-nascido sofre um progressivo processo de adaptação ao ambiente extrauterino, o que exige cuidados especiais.

Agenda dermatológica

Apesar das peculiaridades da pele das crianças, a infância é a fase da liberdade, quando é preciso se divertir, comer, crescer, dormir e brincar, e na qual a responsabilidade é só o boletim, por isso não vamos criar uma agenda de atividades que devem ser feitas pelos pequenos para o cuidado com a pele. Felizmente, doenças de pele malignas ou de prognóstico reservado são raras em crianças. Para as crianças, a visita ao dermatologista deve ocorrer apenas se necessário. Abaixo, listamos os principais motivos para que essa visita aconteça:

Dermatite das fraldas

Trata-se de uma ação irritativa da urina e das fezes, associada a bactérias ou fungos nesta região. O tratamento é trocar as fraldas com frequência, evitando deixar a criança molhada por muito tempo. Sempre que possível, exponha um pouco a área ao sol. Pomadas específicas podem ser necessárias dependendo do quadro. Desaparece totalmente, até sem tratamento, quando a criança para de usar fraldas.

Urticária

É uma alergia de pele comum que provoca vergões no corpo. As principais causas são balas ou alimentos com corantes, odorizantes ou saborizantes e infecção viral respiratória prévia. Alguns medicamentos e verminoses também podem causar a urticária.

Molusco contagioso e verrugas

É uma infecção viral relativamente comum que provoca nódulos na pele, sendo muito comum em crianças, por não terem ainda imunidade suficiente. Crianças alérgicas são mais propensas a ter esse tipo de problema; neste caso, o mais indicado é procurar um médico dermatologista para melhor diagnóstico e tratamento.

Doenças escamosas

A dermatite seborreica é a mais comum; ela se manifesta principalmente no couro cabeludo, face e dobras de bebês pequenos. Costumam desaparecer com a idade e normalmente causam coceira e desconforto.

Dermatite de contato

Pelo fato de a criança ter a pele mais fina, as substâncias penetram mais facilmente na pele, causando mais alergia. Muito cuidado com talcos perfumados, hidratantes e sabonetes coloridos, remédios para sarna e filtros solares!

Dermatite atópica

São lesões vermelhas, intensamente pruriginosas, principalmente na face e dobras de crianças alérgicas (asma, bronquite, rinite), ou com familiares alérgicos. Normalmente melhora com a idade, mas como incomoda tremendamente a criança, deve-se procurar o especialista.

Impetigo

A pele da criança tem menos defesa, por isso, quase toda criança pelo menos uma vez na vida teve a “pereba”, que é uma infecção bacteriana da pele e que evolui maravilhosamente bem com antibiótico local e, se necessário, oral.

Pintas e manchas de nascença

É muito comum criancinhas nascerem com uma mancha vermelha na nuca chamada de “Bicada da Cegonha”. Esta lesão pode desaparecer sozinha e não tem significado clínico.

Lesões nodulares vermelhas são hemangiomas, que devem ser avaliados para se determinar a necessidade de um tratamento. Lesões vermelhas planas (manchas vinho do porto) normalmente não desaparecem sozinhas, mas podem ser retiradas totalmente com os modernos aparelhos de laser. A pinta de nascença escura (nevo melanocítico) deve ser vista pelo menos uma vez por um dermatologista, pois pode se associar com outras doenças ou evoluir para outro tipo de lesão. Na maioria das vezes, no entanto, não tem nenhum risco.

Miliária ou brotoeja

Os orifícios das glândulas do suor na criança são mais fechados, por isso o suor pode não conseguir sair, criando bolinhas principalmente ao redor do pescoço. É muito comum a partir dos seis meses, principalmente no verão, em crianças que ficam muito agasalhadas, em crianças alérgicas que suam mais do que o normal ou após episódios febris. Preocupa mais aos pais do que incomoda a criança. Os tratamentos melhoram um pouco, mas o que resolve mesmo é a idade, quando os orifícios das glândulas do suor ficam mais dilatados e drenam melhor o suor.

Enfim…

A pele da criança tem menos defesa, por isso, quase toda criança pelo menos uma vez na vida teve a “pereba”, que é uma infecção bacteriana da pele e que evolui maravilhosamente bem com o antibiótico local e, se necessário, oral.

Carlos Heil, Dermatologista Infantil

aviso-portal