Publicado em Bebê Saúde do Bebê em 26/07/2017
Imagem: ShutterStock

Imagem: ShutterStock

O vírus da gripe passa por frequentes mutações genéticas para se adaptar ao ambiente e continuar existindo. Pela primeira vez, desde 2010, foi constatado que o vírus H1N1, o vírus da Influenza A ou Gripe Suína, sofreu alterações genéticas no último ano. Por consequência, o Ministério da Saúde do Brasil anunciou, no fim do ano passado, mudanças na vacina da gripe para 2017. A mesma é desenvolvida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e que leva, em média, seis meses para ficar pronta.  

A composição da nova vacina da gripe conta com a cepa do vírus Influenza A (H1N1). Isso significa que, quem foi vacinado em 2016, deve tomar a vacina atual para se proteger. Todos os anos as pessoas devem se vacinar, pois os anticorpos diminuem ao longo dos meses, reduzindo o grau de proteção. O aumento de casos de gripe no ano anterior resultou em antecipação da campanha nacional de vacinação contra gripe.  A vacina de gripe trivalente, que é oferecida nos postos de saúde para os grupos prioritários, protege contra: Influenza A – H1N1, H3N2 (subtipo da Influenza A) e a Influenza B (gripe comum). A vacina de gripe tetravalente, encontrada somente na rede privada, além de possuir os três sorotipos citados, protege contra mais um subtipo da Influenza B. A imunização leva cerca de duas semanas e dura cerca de nove meses.

 

Quem pode tomar a vacina contra a gripe?

Nos postos de saúde a prioridade da vacina contra gripe é para quem tem maior risco de complicações com a doença. Crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes e mulheres que tiveram filhos até 45 dias. Portanto, idosos, profissionais da saúde e portadores de doenças crônicas, como diabetes, asma, colesterol alto, obesidade, entre outros.

No ano de 2017, outra mudança anunciada pelo Ministério da Saúde foi a priorização também de professores da rede pública e privada. A vacina gratuita também foi disponibilizada para a população em alguns estados. Na rede privada, qualquer pessoa a partir de seis meses de idade. Consulte o seu médico para melhor orientação.

 

Principais sintomas: Influenza A (H1N1) x gripe comum

Sintomas Gripe comum Influenza A
Febre Não chega a 39° Ultrapassa a 39°
Dor de cabeça De menor intensidade Intensa
Calafrios Esporádicos Frequentes
Cansaço Moderado Extremo
Dor de garganta Acentuada Leve
Tosse Menos intensa Seca e contínua
Muco (catarro) Forte e com congestão nasal Pouco comum
Dores musculares Moderado Intenso
Ardor nos olhos Leve Intenso
Fonte: Ministério da Saúde

 

Prevenção e cuidados

A vacina é a melhor forma de prevenção contra a gripe. Porém, outros cuidados podem ajudar na proteção, principalmente quando se tratam de bebês e crianças. A seguir, confira dicas de como manter o seu filho mais protegido contra a gripe:

  • Evite o contato com pessoas contaminadas. Se o bebê não completou seis meses,  ele ainda não pode tomar a vacina;
  • Peça para as pessoas lavarem as mãos ou esterilizar com álcool em gel antes de pegar o bebê no colo;
  • Não compartilhe itens de uso pessoal como toalhas, copos e talheres. Sempre que possível use esterilizadores;
  • Mantenha os ambientes da casa arejados, pois os ambientes fechados facilitam a circulação do vírus entre as pessoas;
  • A hidratação é essencial para fortalecer a imunidade da criança. A água ajuda a manter nariz e fossas nasais hidratadas;
  • Higienize periodicamente os filtros de condicionadores e climatizadores de ar;
  • Mantenha o bebê agasalhado na medida certa e evite contato direto com correntes de ar;
  • Mamãe ou papai com gripe? Os cuidados acima devem ser redobrados!
  • Não hesite em levar o filho ao pediatra e nunca ofereça medicamentos sem indicação médica.