Publicado em Saúde do Bebê em 11/07/2016

Quando o bebê nasce, passa a viver em um mundo repleto de descobertas. No período de amamentação, a criança começa a perceber que a boca é um meio para conhecer as coisas. Por isso, tudo é levado à boca. Ao mesmo tempo em que essa fase é interessante para o desenvolvimento do bebê, com o uso de mordedores, por exemplo, o contato com substâncias tóxicas ou venenosas, como medicamentos, produtos de limpeza e plantas pode ser extremamente perigoso para a saúde do bebê.

No Brasil, a intoxicação por medicamentos em crianças de 1 a 4 anos ocupa a primeira colocação no ranking do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (SINITOX), órgão da Fiocruz e do Ministério da Saúde, seguida por produtos de limpeza. É importante ressaltar que a intoxicação infantil ocorre também com a prática de automedicação pelos pais, até mesmo quando isso ocorre com a melhor das intenções. Já a cada dez casos de intoxicação por plantas tóxicas, seis ocorrem com crianças menores de 10 anos e 84% dessas intoxicações são acidentais.

Para proteger o bebê contra intoxicação ou envenenamento, a dica principal é manter a casa segura. Há produtos que parecem não apresentar perigo, o que torna necessário avaliar todos os itens dentro de casa, inclusive no quintal, lavanderia e jardim. Um enxaguante bucal, por exemplo, é nocivo para criança e, muitas vezes, fica no mesmo lugar que a escova de dente do pequeno, não é mesmo? É sempre bom ficar de olho também nos itens da bolsa, já que os bebês são muito curiosos. As cores da embalagem tornam o produto ainda mais atrativo.

Para maior segurança do bebê e mais tranquilidade aos pais, a Fiocruz orienta que medicamentos, produtos de higiene e limpeza permaneçam trancados em local seguro, fora da vista e do alcance das crianças. Outras dicas: evite tomar medicamentos na frente das crianças, pois elas costumam imitar os adultos; nunca se refira a um medicamento como doce; sempre leia rótulos e bulas e siga corretamente as instruções.

Além disso, é preciso ter cuidado com as plantas tóxicas. Portanto, certifique-se de que as plantas que você tem em casa não são estas: comigo-ninguém-pode, bico-de-papagaio, espirradeira, saia-branca, coroa-de-cristo, chapéu-de-napoleão, taioba-brava, tinhorão, copo-de-leite, mamona, tinhorão e pinhão-roxo. Também vale conferir as plantas na casa da vovó, da titia e demais casas às quais a criança tem acesso.

Primeiros socorros

Assim como qualquer acidente doméstico com crianças, os casos de intoxicação precisam de ação rápida. Se o bebê estiver com dificuldade de respirar, inconsciente ou com convulsões, é necessário ligar imediatamente para a Ambulância (192) ou Corpo de Bombeiros (193). Quando a criança não apresentar os sintomas citados, os pais devem solicitar orientações no Disque-intoxicação: 0800 722 6001. O atendimento gratuito é feito pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Lembre-se: apesar da situação difícil, mantenha a calma e não tome nenhuma atitude sem orientação profissional.