Publicado em Bebê Primeiros Passos em 16/03/2018

Antes mesmo de nascer, o bebê reconhece a sua voz, mamãe. Ele começa a escutar entre a 20ª e 24ª semanas de gestação, estágio em que os neurônios entram em ação para formar o córtex auditivo. O elo no ventre é ainda mais forte com o som das batidas do seu coração. Com os órgãos formados e os cinco sentidos aflorados, seu filho está pronto para vir ao mundo.

O bebê nasce com respiração veloz e coração batendo forte: duas vezes mais rápido que o de um adulto. Ele é quentinho na medida certa: sua temperatura corpórea varia entre 36,5 °C e 37 °C. Com o crânio em desenvolvimento, a cabeça tem duas moleiras: uma na parte de trás (fontanela posterior) e outra no alto da cabecinha (fontanela anterior). Essas partes frágeis têm a função de proteger o cérebro do bebê enquanto ele cresce. Também ajudam os ossos da cabeça a se desenvolverem adequadamente. Em geral, as moleiras fecham por volta de 1 ano e 6 meses. A fontanela posterior (menor) fecha por volta dos dois meses de idade. A fontanela anterior (maior) fecha entre os 12 e os 18 meses. Devido à proximidade de vasos arteriais, uma das suas características é a pulsação.

O pequeno pode nascer bem peludinho, com uma espécie de penugem macia que reveste todo o seu corpinho, conhecido como lanugo (ou lanugem). Alguns bebês perdem a “penugem” durante as primeiras semanas de vida ou nos primeiros meses. O lanugo atua na produção e na fixação do vérnix caseoso (substância branca e gordurosa) sobre a pele, uma camada que protege naturalmente a pele do bebê durante a gestação.

Habilidades do recém-nascido

Logo após o nascimento, o pequeno começa a aprender sobre o mundo por meio de reflexos, percebendo o ambiente e agindo sobre ele. Ele tem reflexos primários ou primitivos, que são respostas motoras involuntárias a estímulos. Essas respostas involuntárias são geradas pelo sistema nervoso central e desaparecem à medida que o cérebro vai amadurecendo. Conheça os principais reflexos do recém-nascido a seguir:

  • Reflexo de Galant: é o reflexo do encurvamento do tronco. O bebê reage ao ser tocado nas costas, curvando-se para o lado em que está sendo tocado.

  • Reflexo de Moro: ao levar um susto, o bebê estica pernas, braços e dedinhos e rapidamente os fecha, lembrando um movimento de abraço.

  • Reflexo da preensão palmar e plantar: o recém-nascido segura o dedo da mãe, fechando os dedinhos com uma certa força. O mesmo acontece com os pés.

  • Reflexo de busca: ao tocar a bochecha (próximo à boca) ou os lábios do bebê, ele abre a boquinha, como acontece quando sente o bico do peito da mamãe.

  • Reflexo de sucção: é posterior ao reflexo de busca. É o ato de sugar, que precede o mastigar. É o reflexo para ser amamentado, ou seja, engolir o leite.

  • Reflexo da marcha: ao ser segurado pelas axilas, o bebê vai marchando (colocando um pezinho na frente do outro), como se estivesse querendo caminhar.

Comunicação e interação

O choro, por exemplo, é a maneira que o recém-nascido encontra para dizer “eu existo”. Com poucas semanas de vida, surge a tão esperada curiosidade: o bebê começa a seguir os objetos com os olhos. Leia dicas para brincar e estimular o recém-nascido.

A importância do contato pele a pele no nascimento

As primeiras horas do bebê são determinantes para uma vida saudável. O contato pele a pele com a mãe após o seu nascimento é benéfico para ambos. O Ministério da Saúde orienta que, logo após nascer, o bebê seja colocado sobre o abdômen ou tórax da mãe, de bruços. Essa é uma das diretrizes para a atenção humanizada ao recém-nascido no Sistema Único de Saúde (SUS). Leia também o artigo Lua de leite: o que é e como aproveitar o momento.