Publicado em Primeiros Passos em 10/10/2016

Toda família não vê a hora de ver o bebê sorrindo e mostrando os dentes bem pequenininhos, não é mesmo? Apesar de ser uma fase passageira, a primeira dentição (dentes de leite) é muito significativa para a segunda (dentes permanentes). Os primeiros dentinhos do bebê começam a nascer por volta dos 6 meses de vida e o nascimento costuma seguir essa ordem: incisivos inferiores e superiores (de 6 a 12 meses), laterais superiores e inferiores (de 9 a 16 meses), primeiros molares (13 a 19 meses), caninos (17 a 23 meses) e segundos molares (23 a 33 meses). Porém, essa sequência pode mudar de criança para criança. Com quase 3 anos de idade, ela já tem todos os dentes de leite. Para ficar mais fácil entender essa fase, acompanhe a ilustração abaixo:

2as-fases-de-denticao-da-crianca

Sintomas

Os primeiros sinais de que os dentes vão aparecer são gengiva avermelhada e inchada, bochechas rosadas, salivação em excesso, irritabilidade e principalmente coceira. Um leve aumento de temperatura também é comum, mas um estudo americano recente, publicado pela revista científica Pediatrics, afirma que a erupção dos dentes não tem relação com febre alta (acima de 38 graus). Portanto, se o pequeno tiver febre alta durante a fase, não hesite em levá-lo ao pronto-atendimento.

Para diminuir a irritação, a criança costuma levar tudo à boca, além dos próprios dedinhos, o que merece atenção por parte dos pais, já que as sujeirinhas podem transmitir bactérias. Por isso, o ideal é que ela tenha acessórios pensados para aliviar os desconfortos causados pelo nascimento dos dentes, como escova massageadora e mordedores.

 Cuidados

Os cuidados com a higiene da boca do bebê devem começar antes mesmo do nascimento dos primeiros dentinhos, para evitar fungos que causam doenças, como a candidíase oral, conhecida como “sapinho”. Para higienizar a gengiva, é recomendado o uso de escova massageadora com cerdas macias. Quando acontecer a erupção do primeiro dentinho, os papais já podem iniciar a higienização com a escova de dente também com cerdas delicadas e creme dental especial (infantil). Os especialistas recomendam que a escovação dos dentes seja feita ao menos duas vezes por dia, após as principais refeições. Esse processo é necessário para eliminar sujeiras que, se acumuladas, podem prejudicar uma dentição saudável no futuro.

 Primeira ida ao dentista

Não é preciso esperar o aparecimento do primeiro dentinho do bebê para levá-lo ao odontopediatra, profissional especialista em saúde bucal de crianças. A primeira ida ao dentista é importante para que seja feita uma avaliação completa. O odontopediatra avalia a gengiva, a estrutura óssea e até a língua do pequeno para identificar se existe alguma anormalidade, como língua presa, por exemplo. Quanto mais cedo a criança começar a frequentar o consultório odontológico, melhor. Mas, para quem prefere esperar um pouquinho, o primeiro dentinho já é sinal de que não dá mais para fugir da consulta. O odontopediatra não só avalia os dentes do bebê como também orienta os pais em relação aos cuidados com a dentição e prevenção de cáries.

 Troca de dentes

O momento de troca de dentes da criança costuma deixar os papais ansiosos. Os dentes de leite começam a cair naturalmente por volta dos 6 anos, mas a idade pode variar de criança para criança. Quando estiverem moles e bem soltinhos, os dentes podem ser puxados com bastante delicadeza, para não machucar a raiz. É nesse período também que os primeiros dentes permanentes nascem sem substituir nenhum outro: o último molar, o famoso dente do siso. A troca de dentes (dos primários para os permanentes) acontece em duas fases, sendo a primeira normalmente aos 6 anos e a segunda dos 9 aos 12 anos. Para ter certeza de que está tudo certo com a fase de transição, os pais precisam levar a criança ao odontopediatra regularmente.