Publicado em Hora do Banho em 28/04/2017

Antigamente os bebês esperavam alguns dias para ter a experiência do primeiro banho, pois os pediatras recomendavam a higiene a seco até a queda do coto umbilical. Porém, em muitas maternidades, atualmente o recém-nascido entra na banheirinha logo depois do parto.

“Agora o primeiro banho dado na maternidade já é com muita água morna e sabonete neutro, justamente para remover as secreções do parto, que podem ocasionar contaminação”, diz a pediatra neonatal Eliane Posnik. Este procedimento é feito geralmente na primeira hora de vida nos recém-nascidos que nascem em boas condições.

Segundo a doutora Posnik, o banho a seco não é mais recomendado, pois a ideia de evitar molhar o coto umbilical era para que ele secasse, caísse mais rapidamente e não houvesse contaminação; porém, hoje os médicos sabem que, fazendo a higiene com água esterilizada, sabonete neutro antisséptico e álcool a 70%, a área gelatinosa do umbigo se mantém limpa e seca para que a queda ocorra entre 5 a 15 dias em média.

Como cada pediatra segue uma linha, uns mais tradicionais, outros mais modernos, para não haver surpresas, procure conversar com seu médico sobre o assunto e definir qual procedimento será usado com o seu filho.

Preparando o banho do recém-nascido

O recém-nascido não pode ficar muito tempo exposto à friagem, sem roupinhas, nem antes nem depois do banho. Também não pode ficar esperando na banheira enquanto você corre para pegar a toalha que esqueceu dentro do armário. Por isso, os pais devem organizar o espaço e deixar tudo o que vão usar bem à mão.

Coloque todos os produtos para o banho ao seu alcance. No trocador, deixe a roupinha que o bebê irá vestir, fralda, gaze e algodão. O ideal é que o bebê possa tomar banho e se trocar no mesmo ambiente, para evitar mudanças de temperatura. Cheque se todos os itens estão separados e se a temperatura da água está boa antes de tirar a roupinha do bebê.

Lembre-se de que o ambiente deve estar com janelas e portas fechadas para evitar correntes de ar, mesmo nos dias mais quentes. O banho precisa ser diário, apesar de se sujar pouco, e o melhor horário para dar banho no recém-nascido é nos períodos mais quentes do dia, entre 11h e 15h. Em geral, o melhor é dar o banho antes da mamada, para evitar que ele regurgite. Algumas mães preferem dar o banho logo antes do horário em que o bebê costuma dormir.

A pessoa que vai dar o banho no bebê deve estar com as unhas bem curtas, pois a pele dele é muito fina e qualquer arranhão pode machucar a criança. Tire anéis, pulseiras e relógios e lave bem as mãos antes de começar.

A água do banho

A água do banho do recém-nascido merece uma atenção especial. Existem algumas recomendações importantes sobre a temperatura e até mesmo a quantidade de água na banheira, o que facilita o trabalho da mãe e não põe o bebê em risco.

Segundo a enfermeira Ana Paula Ferreira, da UTI neonatal do Hospital e Maternidade Santa Joana, não há necessidade de que a água da banheira seja filtrada.

A temperatura da água é um fator muito importante. Crianças se queimam a temperaturas menores do que adultos por causa da pele mais fina e do tamanho da massa corporal. “Existem termômetros próprios para medir a temperatura da água. Para quem não tem um, a dica é colocar a parte inferior do antebraço – aquela onde a pele é mais macia – e sentir se a temperatura da água está morna”, sugere Ana Paula. A temperatura deve se ajustar à estação do ano, mas varia em torno de 36 e 37 graus.

Para encher a banheira, primeiro deve ser colocada a água fria e depois a quente, até atingir a temperatura ideal. Antes de colocar o bebê, misture bem a água por toda a banheira e jamais acrescente água fria ou quente quando a criança já estiver lá dentro.

Não é preciso encher demais a banheira, mas se você colocar pouca água ela vai esfriar rapidamente. O ideal é que haja água suficiente para o bebê flutuar. Uma boa medida é que o nível da água bata no umbigo da criança.

Banho de imersão

O banho de imersão pode ser dado na bacia ou na banheirinha. Os primeiros banhos em casa não precisam ser demorados. Basta que o recém-nascido fique na banheira tempo suficiente para tirar a sujeirinha e a pele descamada que se acumula no corpo.

Muitos pais têm a oportunidade de acompanhar o banho do bebê na maternidade, recebendo orientação dos enfermeiros. Essa demonstração deixa os pais mais seguros e confiantes para dar o banho em casa.

ATENÇÃO! Antes de prosseguir, certifique-se de que você verificou a temperatura ideal da água para o banho do bebê.

Depois de organizar o espaço e deixar tudo o que vai necessitar ao seu alcance, tire as roupinhas do pequenino, deixando apenas a fralda, e envolva-o em uma toalha prendendo delicadamente seus bracinhos. Se ele ficar muito solto, vai se sentir desprotegido e a tendência é de que chore mais. Incline a cabeça dele sobre a banheira e lave a cabeça e o rosto sem colocá-lo dentro da água. Não use nenhum sabão na face, apenas água limpa. Passe a mão delicadamente nos olhinhos para tirar toda a sujeira. Finalize essa etapa secando a cabeça e o rostinho.

Retire a fralda do bebê e, antes de colocá-lo na banheira, limpe bem o seu bumbum com algodão umedecido para não sujar a água do banho. Para lavar o corpinho, o bebê deve ficar imerso na água e virado de frente. Comece a limpar com água e sabão neutro o peito, a barriga, as perninhas, o umbigo e os bracinhos. Depois de ensaboar levemente, vá jogando pequenas porções de água. Vire a criança de costas e repita o mesmo processo na parte de trás. Não esfregue o sabonete diretamente na pele do bebê.

Algumas regiões do corpo do recém-nascido precisam de atenção especial durante o banho, como as partes que ficam em contato com a fralda, os genitais, as mãos e os pés. É verdade que nos primeiros dias de vida o bebê não se suja muito, mas alguns cantinhos do seu corpo acumulam sujeira e o felpo da roupa. Portanto, não se esqueça de lavar bem as dobrinhas, as axilas, o pescoço, entre os dedos e a parte de trás da orelha. Em todos os banhos a faxina precisa ser completa.

Banho a “seco”

Alguns médicos recomendam, dependendo das condições do recém-nascido, que nos primeiros dias de vida o bebê tome o banho a seco. Feito com lenços úmidos, é indicado para bebês de extremo baixo peso, que necessitem de cuidados especiais ou que estejam instáveis.

Nesse procedimento, você deve começar a higiene pela cabeça do bebê, enquanto ele ainda está vestido. Para limpar a face, use apenas um algodão ou gaze embebida em água morna. Nessa hora, instintivamente, o recém-nascido deixa os olhinhos bem fechados e você poderá passar o algodão úmido por toda a pele, tirando a sujeira dos olhos. Para limpar o nariz, use um cotonete com água morna esterilizada e passe delicadamente nas bordas da narina.

O cabelo do recém-nascido pode acumular crostas que eventualmente ficam grudadas no couro cabeludo depois do parto. Um pouquinho de óleo próprio para bebê pode ajudar na remoção dessas crostas. Para lavar a cabecinha do bebê, use sabão líquido neutro ou shampoo e enxague com pequenas porções de água morna, inclinando a cabeça sobre uma bacia.

Somente depois de finalizar a limpeza da face e cabeça você deve passar para o corpinho. Não há necessidade de tirar toda a roupa de uma vez. Primeiro, tire apenas a parte de cima e, ainda com o algodão, limpe braços, peito, barriga e costas com sabão neutro e água morna.

Depois, passe para a parte de baixo. Tire a fralda da criança e faça a higiene da mesma forma. Lembre-se de passar o algodão úmido em todas as dobrinhas do bebê.

Segurando o bebê

Na hora de segurar o bebê para dar banho, ele parece ainda mais frágil, mole e escorregadio do que o normal. Todos os pais de primeira viagem sentem a mesma aflição.

Para você ter firmeza para segurar o recém-nascido, o ideal é que a banheira fique em uma altura agradável para você e que esteja bem acomodada para não forçar a coluna. Dessa forma, você terá mais segurança ao manipular o bebê.

A maneira como você vai segurar o pequenino durante o banho é importante por três motivos: precisa ser confortável para o bebê, prática para quem banha e, principalmente, segura para não oferecer nenhum risco como, por exemplo, o bebê escorregar durante o banho. Portanto, a criança precisa ficar presa com conforto.

A melhor forma de conseguir isso é passando o seu braço esquerdo pelas costas da criança e prendendo embaixo de seu bracinho esquerdo, de modo que a cabeça fique apoiada no seu antebraço. Tenha o cuidado de segurar firme, porém, não exagere na força. Muitos pais, com medo de deixar o filhote cair, acabam apertando mais do que devem.

Para colocar o bebê na água, apoie o bumbum e as coxas do bebê na sua mão direita e só solte quando ele já estiver se sentindo seguro e confortável na banheira. Nessa posição, você vai ficar com o braço e a mão direita totalmente livres para ensaboar e enxaguar o bebê.

Quando terminar de banhar a parte da frente, é hora de virar de bruços. Para isso, use a sua mão direita que está livre para girar o bebê de modo que o seu braço esquerdo passe a apoiar o peito e o rosto da criança. Nessa posição, sua mão esquerda vai ficar presa embaixo do bracinho direito.

Lavando a cabeça

Alguns bebês nascem cabeludos, outros bem carequinhas. Não importa qual o caso de seu filhote, o recém-nascido pode – e deve – lavar a cabeça todos os dias até um ano de idade. Esse cuidado faz parte da higiene diária, especialmente nos primeiros meses de vida, quando ele deve estar impecavelmente limpo para evitar doenças e contaminações.

É natural que o couro cabeludo do bebê fique oleoso nos primeiros dias. Isso acontece devido à ação de um hormônio, o androgênio, que a criança recebe ainda na barriga da mãe. Não use nenhum produto que resseque o couro cabeludo do bebê. A tendência é que essa oleosidade vá sumindo aos poucos, naturalmente.

Se o recém-nascido apresentar crostas no couro cabeludo, não se assuste. Isso também é normal. São resíduos que ficam grudados na cabeça após o parto. Nos primeiros banhos do bebê, você pode usar um pouco de óleo infantil para amolecer essas crostas antes de aplicar o shampoo.

O ideal é lavar a cabeça do recém-nascido ainda fora da banheira, com o corpinho enrolado em uma toalha, para que ele não sinta frio. Você deve incliná-lo sobre uma bacia segurando o corpinho no braço e a cabeça na mão esquerda, deixando a mão direita livre.

Comece jogando uma pequena quantidade de água de frente para trás. Nessa hora, proteja os ouvidos com os dedos polegar e anular da mão que apoia a cabeça. Isso é muito importante para evitar que a água entre no ouvido.

Para lavar o cabelo do bebê, você poderá usar uma pequena quantidade de shampoo infantil ou sabonete líquido neutro, que não irritam os olhos da criança. Nessa idade não é preciso esfregar ou massagear a cabecinha. Apenas passe a mão levemente sobre a penugem. Enxague bem os fios até tirar todo o resíduo do produto. Para secar, apenas pressione levemente uma toalha macia sobre a cabeça.

Secando o corpinho

Depois de um bom banho, os bebês precisam ficar bem enxutos. A toalha dos pequeninos deve ser muito macia, para não machucar a pele, e estar bem sequinha. O enxoval de banho do bebê deve ser exclusivo para uso dele. Não use a toalha do bebê para enxugar os irmãos mais velhos. Os modelos com capuz são ótimos para manter todo o corpo quente e protegido de friagens. As toalhas-fralda são uma boa opção por terem melhor absorção do que as toalhas felpudas.

Ao tirar o neném da banheira, envolva-o rapidamente na toalha. Para enxugá-lo, apenas aperte a toalha contra o corpinho, sem esfregar a pele. Certifique-se de que todas as partes estão secas, principalmente as dobrinhas da perna e do pescoço. Passe delicadamente a toalha na cabeça e não se esqueça de enxugar a parte de trás das orelhas, entre os dedos, e outras que podem ser esquecidas.

Quando tiver certeza de que ele está bem sequinho, vista-o rapidamente.

Penteando o cabelo

Os fios de cabelo do recém-nascido são geralmente bem fininhos, como uma penugem. Até completar um ano de idade, eles permanecem ralinhos e precisam ser cuidadosamente penteados. Mesmo aqueles que têm bem pouca quantidade de fios precisam desembaraçar os cabelinhos quando saem do banho.

“Devemos pentear os cabelos com escova de cerdas macias naturais, sem receio de machucar a moleira, sempre de maneira suave”, ensina a pediatra neonatal Eliane Posnik.

Se seu filho tiver uma quantidade grande de fios, evite deitá-lo no bercinho com o cabelo muito molhado. A umidade no couro cabeludo pode causar micoses.

“O uso de fivelinhas, laços e elásticos nos cabelos de meninas abaixo de seis meses deve ser evitado”, diz a doutora. Depois dessa idade é preciso tomar cuidado com os acessórios, pois a criança pode retirá-los, colocá-los na boca e se machucar.

Cuidando do umbiguinho

Uma das perguntas mais frequentes na primeira visita ao consultório pediátrico é sobre os cuidados com o umbigo do recém-nascido. Os pais de primeira viagem ficam assustados e até impressionados com a aparência do coto umbilical, como é chamado esse pedacinho do cordão que fica preso ao bebê nos primeiros dias de vida.

Um dos maiores medos é machucar o bebê durante a limpeza. Então, vai aí uma informação preciosa: o umbiguinho não dói porque não tem terminações nervosas. Vencido o medo, o próximo passo é saber como lidar com ele.

O coto umbilical é uma porta de entrada para infecções e, por isso, deve ser mantido bem limpinho até que caia. “No banho, deve-se lavar bem com água e sabão. O importante é o cuidado pós-banho. Deve-se enxugar bem o bebê e no umbigo passar álcool a 70% em movimentos circulares, retirando toda a sujeira que possa se acumular ali”, ensina a enfermeira Ana Paula Ferreira, da UTI neonatal do Hospital e Maternidade Santa Joana. Essa higiene deve ser feita até que ocorra sua queda, geralmente uns 15 dias depois do nascimento. A queda é resultado do processo de cicatrização do umbigo, que começa de dentro para fora.

Antigamente, o uso de faixas e gazes na região do umbigo era comum. Hoje esses curativos fechados, assim como os banhos a seco, não são mais usados, pois mantêm alta a umidade do local, propiciando maior prazo para a queda do coto.

É bom inclusive que o umbigo fique por fora da fralda. Atualmente, várias maternidades usam fraldas descartáveis com área de exposição em “U”, para o umbigo cair mais rapidamente.

Inchaço, vermelhidão, dor e secreção nessa região podem ser sinal de alguma infecção e nesses casos o bebê deve ser examinado por um pediatra. Os pais também precisam ficar atentos à cicatrização do umbigo após a queda do coto para ter certeza de que ocorreu o fechamento completo.

O choro no banho

O banho do recém-nascido não seria tão problemático para os pais se o bebê não chorasse tanto. Afinal, qual o motivo do choro dos bebês nos primeiros banhos?

“O bebê, em qualquer situação que o tire da rotina, é estimulado, como por exemplo, quando começa a ser despido. A única coisa que ele sabe fazer é chorar, portanto, quando ele muda de ambiente, logo é estimulado e se manifesta. Mas o choro logo para quando ele é colocado na água quentinha e retoma seu conforto”, garante a enfermeira Ana Paula.

Isso significa que, com o tempo, quando o banho diário deixa de ser uma sensação desconhecida e vira uma rotina, o bebê para de chorar. Basta ter paciência e fazer a experiência do banho virar um momento de prazer o mais rápido possível.

Experimente acariciar e conversar com o bebê durante o banho. Ao ouvir sua voz suave, ele vai se acalmando e aos poucos se sentindo mais confortável. O banho é mais um momento de troca entre a mãe e o filho e a conversa com o bebê pode tornar tudo ainda mais agradável.

Aviso-Portal-1